inescburg@yahoo.com.br

segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

Projeto de Sistematização dos NEAs: Lições na Construção do Saber

http://aba-agroecologia.org.br/wordpress/projeto-de-sistematizacao-dos-neas-licoes-na-construcao-do-saber/


Chegou ao fim a primeira jornada do Projeto “Sistematização de experiências, construção, socialização de conhecimentos e práticas relacionados à Agroecologia – o protagonismo dos Núcleos e Rede de Núcleos de Estudo em Agroecologia (NEA e R-NEAS) das universidades públicas brasileiras”.
Realizado de 2015 a 2017, em parceria com a Associação Brasileira de Agroecologia (ABA-agroecologia) e apoiado pelo CNPq, o MDA – Ministério do Desenvolvimento Agrário (agora SEAD – A Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário) e com a participação do MAPA – Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, MCTI – Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações e MEC – Ministério da Educação, a equipe do Projeto percorreu de norte ao sul do país para conhecer as experiências de quem, de dentro e fora das universidades, institutos federais e centros de pesquisa e extensão, vem construindo a agroecologia enquanto movimento, ciência e prática.
O Núcleo de Agroecologia é uma inovação das instituições brasileiras de ensino e pesquisa. A proposta de incentivo à criação de Núcleos se deu a partir da Comissão Interministerial de Educação em Agroecologia, que funcionou de 2003 a 2010, através dos Fóruns de Educação em Agroecologia e Sistemas Orgânicos de Produção. A proposta, entretanto, tem uma ancoragem histórica nos grupos de agricultura alternativa (posteriormente de agroecologia) que se organizam nas universidades brasileiras desde a década de 1980; nos pressupostos teóricos de Paulo Freire e na busca da indissociabilidade entre ensino pesquisa e extensão.
De 2010 a 2017, o governo federal lançou oito chamadas públicas que apoiaram 380 projetos, de aproximadamente 150 NEAs. O Projeto de Sistematização analisou de forma participativa as práticas dos Núcleos e para isso realizou aproximadamente 50 atividades, 730 horas presenciais de formação, envolvendo diretamente mais de 2700 pessoas e aproximadamente 90 NEAs e R-NEAs. A sistematização apontou muitas lições que podem nos apoiar no enraizamento da Agroecologia. Os NEAs acolhem diversidades e fortalecem resistências na construção de processos educativos participativos e sintonizados aos desafios dos agricultores (as) familiares e urbanos, consumidores(as), povos e comunidades tradicionais e realizam pesquisa, ensino e extensão de forma indissociável e transdisciplinar.
Com poucos recursos, os NEAs possibilitaram avanços institucionais importantes a partir do engajamento na construção da agroecologia de 437 professores, 449 estudantes, 787 bolsistas e vários técnicos. Até então, os NEAs elaboraram 1.049 publicações acadêmicas, sendo 388 artigos publicados em periódicos científicos, promoveram 1.460 eventos, 312 cursos com 8.495 horas de duração, atingiram 25.530 educandos e cerca de 61 mil pessoas. Identificou-se 430 organizações sociais ou grupos parceiros dos NEAs e 70 Redes de Articulação. As ações dos NEAs são conectadas com várias políticas públicas, em especial àquelas de fortalecimento da agricultura familiar e dos povos e comunidades tradicionais. Diante dos impactos e da abrangência das ações, a ABA-agroecologia indica a importância e a necessidade de continuidade e ampliação das Chamadas Públicas de apoio aos NEAs para o fortalecimento da agroecologia.
Assista o vídeo e conheça um pouco mais dessa história.

Assista também no YouTube: https://youtu.be/5bxtzL9pZU0

Nenhum comentário: