inescburg@yahoo.com.br

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Documentário resultante de tese da 
Unicamp disputa indicação ao Oscar


10/11/2016 - 15:25


Apesar de muito se dedicar à sua tese de doutorado “Educação, autoritarismo e eugenia: exploração do trabalho e violência à infância no Brasil (1930-1945)”, o historiador Sidney Aguilar não tinha maiores pretensões senão entregar à sociedade o conteúdo de achados de extrema gravidade. Ao pesquisar a época do Estado Novo, nas décadas de 1930 e de 1940, o autor descobriu que 50 meninos, na maioria negros, com idade entre nove e 11 anos, foram retirados de um orfanato do Rio de Janeiro e levados a uma fazenda no interior de São Paulo. Lá eles viveram o pesadelo do trabalho escravo na lavoura, sem remuneração e com castigos físico e psicológico.
A tese, defendida na Faculdade de Educação (FE) em 2011 sob orientação da professora Ediógenes Aragão, deve virar livro ainda este ano e acaba de gerar um documentário que foi batizado de Menino 23 - infâncias perdidas no Brasil, de Belisário Franca, com 81 minutos de duração. Nos últimos dias, Aguilar foi informado de que o documentário agora disputa indicação ao Oscar 2017 nessa categoria, ao lado de 145 longa-metragens. O resultado será divulgado no dia 24 de janeiro. “Nossos trabalhos são produções de muitas mãos, coletivo. Já foi lançado em julho e passou pela USP, Ipea, universidades, movimentos sociais e Comissão da Verdade, entre outras instituições”, ressalta. 
O filme tem continuidade, pois os debates já vinham acontecendo, afirma o historiador. “Construímos uma base crítica. Esse trabalho teve um pé na academia, mas a pesquisa encontrou também aspectos de alto valor social e histórico. E isso foi levado para o filme, por meio de reflexões sobre a história da infância em situação de risco social”, sublinha. A tese já tinha recebido o Prêmio Capes de Teses em 2011. 

Menino 26 teve pré-estreia mundial no mês de junho na Mostra Competitiva Ibero-Americana de Longas-Metragens do 26º Cine Ceará, em Fortaleza. Foi ainda selecionado para o Festival Encounters, na África, sendo exibido em Johannesburg e Cape Town. É uma produção da empresa Giros. A coprodução é da Globo Filmes, Globo News e Canal Brasil, com patrocínio do BNDES. A distribuição é da Elo Company.
O projeto de Aguilar começou quando, em uma de suas aulas, uma aluna contou que, na fazenda onde vivia, em Campina do Monte Alegre, foram encontrados tijolos marcados com a suástica nazista, adotada por organizações militares e nacionalistas, que depois foi transformada em símbolo do regime nazista. O pesquisador se instalou nesse município. Ali teve contato com os primeiros indícios de se tratar de uma simbologia nazista presente na propriedade rural em um contexto de simpatia aos ideais de racismo e autoritarismo no Brasil.
Sidney seguiu a pista e chegou a dois sobreviventes dessa exploração. Aloísio Silva (o “menino 23”) e Argemiro dos Santos (o "Dois"), chamados por números, falaram de suas histórias pela primeira vez no documentário. Pouco tempo depois, Aloísio morreu, aos 93 anos. Entre os relatos, soube-se que Argemiro fugiu daquela fazenda, morou nas ruas de São Paulo, foi engraxate e hoje, com mais de 90 anos, mora em Foz do Iguaçu. Os meninos que foram trabalhar na fazenda lá permaneceram por quase dez anos.
Para Sidney, docente da Universidade Salesiana (Unisal), o momento mais emocionante do processo de elaboração da tese foi quando o pesquisador levou Aloísio de volta ao orfanato onde viveu no Rio de Janeiro. Outro momento de grande comoção foi quando ele encontrou os documentos que deram sustentação à sua tese. Ele conta que os documentos, tijolos e fotos da pesquisa estão agora sob a guarda do Arquivo Edgar Leuenroth (AEL) da Unicamp. Veja texto publicado na edição 536 do Jornal da Unicamp, quando a tese foi Prêmio Capes, e assista a um trailer do documentário. Os interessados terão ainda a chance de assistir ao documentário no dia 21, das 14 às 18 horas, no auditório da Associação dos Docentes da Unicamp (Adunicamp), seguido de um debate de pesquisa. Veja a programação

Nenhum comentário: