inescburg@yahoo.com.br

sábado, 26 de setembro de 2015

Ecologia y genero en dialogo interdisciplinar ebook.pdf

http://www.plazayvaldes.es/upload/ficheros/ecologia_y_genero_en_dialogo_interdisciplinar_ebook.pdf

Cartillas y materiales sobre soberanía alimentaria

http://www.biodiversidadla.org/Principal/Secciones/Documentos/Cartillas_y_materiales_sobre_soberania_alimentaria
Soberanía alimentaria
Cuadernillos para la capacitación y formación en la temática, elaborados por la Cátedra Libre de Soberanía Alimentaria de la Universidad Nacional de La Plata: Huertas orgánicas, Fabricación de herramientas, Plantas comestibles, Plantas medicinales, entre otros.
Elaborados por la Cátedra Libre de Soberanía Alimentaria de la Universidad Nacional de La Plata, compartimos una serie de cuadernillos para la capacitación y formación en la temática.
Podés descargarlos haciendo clic en cada uno de ellos.
Estos son los títulos de cada uno de ellos:

sábado, 19 de setembro de 2015

Seminário em Brasília debate avanços na produção agroecológica

Seminário em Brasília seminário debate avanços na produção agroecológica



Foto: Naiara Pontes/SG
Foto: Naiara Pontes/SG
Dona Carmem Munarim saiu de Chapecó, em Santa Catarina, determinada aparticipar de uma discussão importante sobre agroecologia. A agricultora familiar se uniu a outros produtores rurais, representantes de entidades da sociedade civil e do governo federal para participar da cerimônia de abertura do Seminário Dialoga Brasil Agroecológico, realizada nesta quarta-feira (16/09), no Palácio doPlanalto, em Brasília.
O encontro segue até 18 de setembro e promove o diálogo entre governo e sociedade civil, por meio da Comissão Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica (Cnapo), para a elaboração do 2º Plano Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica (Planapo) para ospróximos quatro anos.

Na mesa de abertura, o ministro Miguel Rossetto (Secretaria-Geral) se referiu ao Planapo I [2013-2015] como uma política consolidada de participação social e apontou que o fortalecimento da agroecologia coloca o Brasil como destaque no cenário internacional, assim como foi destaque na redução da pobreza. “Colaboramos com uma agenda planetária de redução da miséria dentro das metas do milênio, agora vamos tratar de uma agenda de sustentabilidade”. Rossetto também chamou a atenção para as conquistas dos últimos anos e para o desafio de pensar na evolução das políticas de fortalecimento da produção agroecológica. "Tivemos avanços na política de concessão de créditos, assistência técnica e no desenvolvimento de pesquisas. Queremos agora incorporar os saberes dos territórios tradicionais para que a agroecologia seja uma forma de produção incorporada à agropecuária".

O ministro Patrus Ananias (Desenvolvimento Agrário/MDA) garantiu o empenho do governo federal no fortalecimento da produção agroecológica e expressou em números os avanços no projeto de desenvolvimento da agricultura familiar, responsável por 80% dos certificados na lei brasileira de orgânicos. "Este ano tivemos 20% a mais de recursos noPronaf [Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar]. Reafirmando nossa responsabilidade com as questões ecológicas assumimos o compromisso com as gerações futuras". Também participaram da mesa de abertura o diretor da Associação Brasileira de Agroecologia, Paulo Petersen, e a presidenta do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, Maria Emília Pacheco.

Na safra 2015-2016, o Pronaf vai disponibilizar 28,9 bilhões de reais em recursos para o financiamento de agricultores familiares como Dona Carmem Munarim, uma produtora em transição agroecológica. Ela planta frutas e hortaliças orgânicas e as fornece para o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA).

Planapo

O Planapo II será executado no período de 2016 a 2019 e será o instrumento de execução da Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica (Pnapo). Sobre esta segunda fase do plano, Generosa de Oliveira, da Marcha das Margaridas, avalia que "será mais um forte espaço para estimular políticas públicas que valorizem a experiência de homens e mulheres do campo. Não queremos ver a agroecologia como um nicho de mercado, mas uma possibilidade para que todas e todos possam se alimentar e desenvolver".

Após a abertura, a Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco) lançou o livro Dossiê Abrasco: Um Alerta Sobre Os Impactos Dos Agrotóxicos Na Saúde. A obra está disponível gratuitamente na internet.

As atividades do Seminário Dialoga Brasil Agroecológico seguem até a próxima sexta-feira (18/09) com mesas para apresentação de experiências agroecológicos apoiadas pelo Planapo e com a realização de trabalho em grupos temáticos que vão propor contribuições para elaboração do Planapo II.

Confira a programação completa: aqui.

Marilia Marques - Ascom/SG

Proposições para o Planapo II são apresentadas no 2º dia do Seminário Dialoga Brasil Agroecológico

Foto: Naiara Pontes/SG
Foto: Naiara Pontes/SG
As principais mudanças, desafios e a metodologia participativa de construção do II Plano Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica (Planapo) foram apresentados nesta quinta-feira (17/09), no segundo dia do Seminário Dialoga Brasil Agroecológico. O encontro está promovendo o diálogo entre o governo federal e a sociedade civil na elaboração do plano que será executado nos próximos quatro anos. Nesta edição, dois novos eixos, Terra e Território, e Sociobiodiversidade se somam aos eixos Produção, uso e conservação de recursos naturais, Conhecimento, Comercialização e Consumo, já presentes no primeiro Plano.

Na abertura do segundo dia do seminário, o secretário executivo da Secretaria-Geral, Laudemir Müller, avaliou o diálogo como uma possibilidade de ampliação das conquistas agroecológicas e como um estímulo para superação dos desafios do primeiro Planapo: “com a construção desse novo plano o governo federal reafirma, para ainda este ano, o compromisso com o Pronara [Programa Nacional de Redução de Agrotóxicos], e fortalece a disputa para o desenvolvimento sustentável por meio da agroecologia”.

A apresentação da metodologia e o balanço da primeira fase do Planapo foram feitos por Cássio Trovatto, da Secretaria de Agricultura Familiar (Ministério do Desenvolvimento Agrário).  Segundo dados da Câmara Interministerial de Agroecologia e Produção Orgânica (Ciapo), de 2013 a 2015 mais de 62 mil famílias participaram de ações desenvolvidas no primeiro Planapo. No total, 619 mil instituições estão envolvidas na execução do plano, 23 mil jovens e mais de 293 organizações sociais. Trovatto citou a consolidação de políticas da Reforma Agrária, a intensificação do debate sobre produção sustentável e a criação, com estados e municípios, de um pacto federativo de estímulo à agroecologia como desafios para segunda fase do Plano Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica.

Representantes de redes e instituições que atuam com práticas sustentáveis de cada uma das cinco regiões brasileiras, como a Articulação Semiárido Brasileiro (ASA), Rede Ecovida, Museu da Amazônia (Musa), o Centro de Agricultura Alternativa e do Conselho Nacional das Populações Extrativistas, participaram da mesa de trocas de experiências, e apresentaram práticas agroecológicas apoiadas pelo Planapo.

As atividades do Seminário Dialoga Brasil Agroecológico serão finalizadas nesta sexta-feira (18/09) com a continuidade dos trabalhos em grupos temáticos que vão propor contribuições para elaboração do Planapo II.

Confira a programação completa: aqui.

Marilia Marques - Ascom/SG

segunda-feira, 14 de setembro de 2015

Dia do Cerrado: pesquisas buscam conservação do bioma

Sustentabilidade

Rede financiada pela CNPq trabalha no mapeamento e acesso público a importantes dados sobre o sistema
por Portal BrasilPublicado11/09/2015 14h13Última modificação11/09/2015 14h13
Divulgação/CNPqPrograma está estruturado em duas linhas: uma envolve acesso às informações de espécimes da flora brasileira e a outra, digitalização das plantas no exterior
Programa está estruturado em duas linhas: uma envolve acesso às informações de espécimes da flora brasileira e a outra, digitalização das plantas no exterior
Segundo maior bioma do Brasil, o Cerrado é conhecido como uma das biodiversidades mais ricas do mundo. Para enfrentar o desafio de ampliar o conhecimento deste bioma, foi criado o Programa "Plantas do Brasil: Resgate Histórico e Herbário Virtual para o Conhecimento e Conservação da Flora Brasileira" (Reflora), uma parceria entre instituições como o CNPq, Capes, Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa e pesquisadores.
Uma das redes formadas dentro do programa é a FloResCer – Flora Integrada do Cerrado, Região Centro-Oeste, coordenada pela professora Carolyn Elinore Barnes Proença (UnB), composta por alguns projetos de pesquisa.
A rede FloResCer visa a busca de dados, principalmente taxonômicos e históricos, da Flora do Centro-Oeste, com o objetivo de proporcionar acesso público de forma integrada, com buscas simples de imagens e ferramentas de identificação de espécies, inclusive sobre aquelas que se encontram ameaçadas de extinção no Cerrado.
Além de expedições de campo em áreas de Cerrado, as equipes também estão mapeando a ocorrência das espécies, por meio de consultas a herbários nacionais e internacionais e levantamento bibliográfico.
Desta forma, os resultados da Rede contribuirão para orientar a identificação de áreas prioritárias para conservação e o desenvolvimento de estudos mais específicos para as espécies ameaçadas, favorecendo a adoção de uma estratégia de gestão integrada das ações de pesquisa para conservação da flora do Cerrado.
Dia do Cerrado
Em comemoração ao Dia do Cerrado, a Rede Florescer inaugura também, nesta sexta-feira (11), no Jardim Botânico de Brasília, uma exposição sobre botânica, na qual o público poderá conferir coletas originais de plantas, além de saber mais sobre a vida do botânico George Gardner, cujo bicentenário de nascimento supõe-se que se completa entre 2010-12.
Uma das redes formadas dentro do programa é a Rede Florescer (Flora Integrada do Cerrado), da Região Centro-Oeste. A rede busca dados, principalmente taxonômicos e históricos, da Flora do Centro-Oeste, com o objetivo de proporcionar acesso público de uma forma integrada, com buscas simples de imagens e ferramentas de identificação de espécies, inclusive sobre aquelas que se encontram ameaçadas de extinção no Cerrado.
Além de expedições de campo em áreas de Cerrado, as equipes também estão mapeando a ocorrência das espécies, por meio de consultas a herbários nacionais e internacionais e levantamento bibliográfico.
Desta forma, os resultados da Rede contribuirão para orientar a identificação de áreas prioritárias para conservação e o desenvolvimento de estudos mais específicos para as espécies ameaçadas, favorecendo a adoção de uma estratégia de gestão integrada das ações de pesquisa para conservação da flora do Cerrado.
Fonte: CNPq

sábado, 12 de setembro de 2015

Revista Desenvolvimento e Meio Ambiente

http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs2/index.php/made/article/view/37739/26081A revista Desenvolvimento e Meio Ambiente, do Programa de Pós-Graduação em Meio Ambiente e Desenvolvimento da Universidade Federal do Paraná, tem como escopo publicar artigos, resenhas e conferências de temas socioambientais. Ancorada em uma perspectiva interdisciplinar, o foco central da revista é a discussão de problemáticas que se inscrevam na intersecção entre sociedade e natureza. A submissão dos trabalhos é na forma de fluxo contínuo. Artigos de caráter estritamente disciplinar ou técnico não são aceitos, independentemente da avaliação de sua qualidade.

Aproveitamos para anunciar que o Programa de Pós-graduação em Meio
Ambiente e Desenvolvimento (PPGMADE) comemorará, nos dias 14 e 15 de
outubro próximo, seus 22 anos de implantação, primeiro como doutorado e,
depois, como mestrado e doutorado. Além dos professores, colaboradores,
antigos e atuais alunos, estamos convidando colegas e alunos de outros
programas afins e demais interessados em participar do evento. O site do
Programa em breve trará a programação final para maiores informações.
Estarão conosco nesses dias o professor Claude Raynaut, também fundador,
professor e pesquisador do Programa e o professor Enrique Leff que muito nos
tem apoiado durante nossa trajetória. A coordenação do PPGMADE e demais
professores e colaboradores contam com nossos leitores para divulgação do
evento e esperam poder recebê-los aqui para compartilhar este momento.

A Desenvolvimento e Meio Ambiente é editada pelo Programa de
Pós-Graduação em Meio Ambiente e Desenvolvimento (PPGMADE) da
Universidade Federal do Paraná (UFPR). Os principais objetivos da revista
são publicar artigos de qualidade sobre temas socioambientais nos âmbitos
local, nacional e internacional e divulgá-los amplamente em vários
circuitos acadêmicos. O foco central da revista é a discussão
interdisciplinar de problemáticas que se inscrevam na intersecção entre
sociedade e natureza.

A Desenvolvimento e Meio Ambiente está disponível para consulta e
submissão no endereço www.ser.ufpr.br/made. Recebe os trabalhos em fluxo
contínuo e eventualmente organiza dossiês temáticos publicados junto aos
volumes regulares ou em volumes especiais. São aceitos: (i) artigos
originais e de revisão; (ii) ensaios; (iii) resenhas de livros publicados
recentemente; e (iv) conferências.

Cordialmente,

Os Editores
==============================================================

Dear Readers,

The Desenvolvimento e Meio Ambiente Journal (www.ser.ufpr.br/made) has just
published the Volume 34 of August 2015. Please find below the newly
published articles, which are available for download.

We are glad to announce that the Graduate Program in Environment and
Development (PPGMADE) will celebrate, on the 14th and 15th of October, its
22-year anniversary. In addition to faculty teachers, officials, former and
current students, we are inviting colleagues and students of other related
programs and others interested in attending the event. The Program website
will soon bring the final schedule and further information. Professor Claude
Raynaut, researcher and also founder of the Program, and Professor Enrique
Leff, which has greatly supported us during our journey, will join us during
the celebration. The Coordinators of PPGMADE, as well as our faculty, count
on our readers to spread the word about the event and hope to welcome you in
to share this moment in our venues.

Desenvolvimento e Meio Ambiente is published by the Graduate Program in
Environment and Development (PPGMADE) of the Federal University of Paraná
(UFPR). The main objectives of the journal are to publish quality articles
on environmental issues at local, national and international levels, and to
disseminate them widely in various academic circles. The central focus of
the journal is the interdisciplinary discussion of issues that fall within
the interface between society and nature. Its socio-environmental focus
seeks an innovative, multidimensional and comprehensive view, accomplished
through a profound dialogue between the various fields of scientific
knowledge.

Desenvolvimento e Meio Ambiente is available for consultation and submission
at www.ser.ufpr.br/made. It accepts manuscripts in continuous workflow and
eventually organizes thematic dossiers published together with the regular
volumes or in special editions. It welcomes: (i) original and review
articles; (ii) essays; (iii) reviews of recently published books; and (iv)
conferences.

Sincerely,

The Editors

Volume 34