inescburg@yahoo.com.br

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Primavera Silenciosa

Lançamento
Raramente um único livro altera o curso da história, mas Primavera Silenciosa, de Rachel Carson, fez exatamente isso. O clamor que se seguiu à sua publicação em 1962 forçou a proibição do DDT e instigou mudanças revolucionárias nas leis que dizem respeito ao nosso ar, terra e água.

A preocupação apaixonada de Carson com o futuro de nosso planeta reverberou poderosamente por todo o mundo, e seu livro eloquente foi determinante para o lançamento do movimento ambientalista.

Este notável trabalho de Rachel Carson foi considerado em 2000, pela Escola de Jornalismo de Nova York, uma das maiores reportagens investigativas do século XX.
Clique para ampliar imagem
Onde encontrar: http://loja.daterraecos.com.br/
Classificação: Ecologia

sexta-feira, 25 de junho de 2010

La producción ecológica es una potente herramienta para proteger la agrobiodiversidad.

NP SEAE Catarroja 20/06/2010

Las fincas de producción ecológica tiene de medio un 30 % más en diversidad
de especies y un 50 % más abundancia de animales beneficiosos para la agricultura lo que se traduce en un mayor equilibrio que evita las plagas y enfermedades. Por otro lado los rendimientos de muchos cultivos ecológicos son equivalentes a los obtenidos en agricultura convencional.
La Sociedad Española de Agricultura Ecológica (SEAE) sale así paso de recientes informaciones sobre un estudio realizado en el Reino Unido por la Universidad de Leeds, publicado por la revista Ecology Letters (1) que encontró una diversidad mayor en fincas ecológicas del 12 % y que concluyó que los rendimientos eran menos de la mitad en las producciones ecológicas de las 32 fincas de ese país. ?Por lo que conocemos, se han querido extrapolar resultados de un estudio científico local, a todo el planeta, sin considerar otros estudios de más largo plazo, como los señalados más abajo, que llegan, a conclusiones absolutamente distintas? señaló el Director Técnico de SEAE. ?Sin menospreciar el carácter científico de los resultados
de dicho estudio respecto a la biodiversidad, nos surgen dudas en torno a la forma de expresar los resultados de la investigación, que remarcar aspectos políticos que no fueron objeto del planteamiento científico del estudio?, enfatizó (2). ?No obstante en las conclusiones de ese estudio, se indican que en áreas con gran número de fincas ecológicas el incremento de la biodiversidad era mayor (hasta un 9,1 %), lo que haciendo una interpretación ?política? de los mismos resultados, nos podría llevar a concluir que debemos promover la conversión masiva a la agricultura ecológica de todo el territorio?, concluyó.
La diversidad de especies en las fincas ecológicas es el resultado principal de las técnicas ecológicas muy específicas de los agricultores ecológicos, incluyendo la prohibición del uso de plaguicidas, herbicidas y fertilizantes de liberación rápida. Una finca ecológica se convierte es más productiva en un paisaje diversificado, donde hay suficientes elementos seminaturales del paisaje como setos, los hábitats de barbecho y las franjas de flores silvestres, que sirven como medios naturales de control de plagas (Zehnder et al., 2007). El manejo del suelo adecuado (por ejemplo, con aportes de compost), las prácticas de cultivo (por ejemplo, con mínima abranza), la rotación de cultivos y la siembra intercalada de cultivos son medidas adicionales importantes, destinadas a reducir el riesgo de brotes de plagas y enfermedades. Por ello, la mayor diversidad en todos los niveles es de gran interés económico para los agricultores ecológicos, ya que evitarán la presencia de malas hierbas, plagas y enfermedades en esos ambientes diversificados.
Los estudios comparativos de diversidad en fincas ecológicas y convencionales revelan un 30 por ciento más alta diversidad de especies y 50 un por ciento mayor abundancia de animales beneficiosa en campos de cultivo ecológico (Bengtsson, Ahnström y Weibull, 2005; Hoyo et al., 2005). La biodiversidad más alta se da a muchos grupos taxonómicos diferentes, incluidos los microorganismos, lombrices, insectos y aves (Hoyo et al., 2005). En las regiones donde el número de explotaciones ecológicas ha aumentado, la diversidad y abundancia de las abejas ha crecido considerablemente, lo que contribuye a la polinización de cultivos y plantas
silvestres en zonas más extensas (Rundlöf, Nilsson y Smith, 2008).
Respecto a los rendimientos de la producción ecológica, un estudio de largo plazo que recoge resultados de 22 años (3) concluyó que en determinados cultivos como el maíz o la soja, éstos son iguales en ecológico que en convencional, sólo que en ecológico, se usa un 30 % menos de energía, menos agua y pesticidas (Pimentel, 2005) publicado en el número de Julio de Bioscience Vol 55:7). En España similares estudios sobre cereales de secano (4) llegaron a resultados equivalente (Lacasta C & Meco R, 2006), tras más de 20 años de investigación. Por tanto, es muy aventurado extrapolar que los rendimientos de producción ecológica en general, son menores en más del 50 % como ha hecho Tim Benton investigador principal del mencionado estudio?,
indicó el Director Técnico.
La producción ecológica es el único sistema de producción, claramente definido y legislado en el ámbito europeo Reg. (CE) 834/2007, que persigue "establecer un sistema de manejo sostenible para la agricultura?, que respete los sistemas y los ciclos naturales y que produzca alimentos de elevada calidad de manera que no afecte al medio ambiente, la salud humana y vegetal y el bienestar y salud animal. Por ello, la producción ecológica es fácil de ser parte de la estratégica de la biodiversidad debido a que su logros son fáciles de medir y porque la ciencia ha probado su valor.
Estos aspectos serán abordados y debatidos ampliamente en el IX Congreso bianual de SEAE que tendrá lugar en octubre próximo en Lleida entre el 6 y el 9 de octubre, al que se espera que asistan unas 350 personas y que está siendo organizado en colaboración con la ETSEA UdL, el IRTA y el DAR.
Mas info: seae@agroecologia.net.

www.agroecologia.net. Móvil 627343399
(1) Información original :
it_to_wildlife>
http://www.leeds.ac.uk/news/article/802/organic_farming_shows_limited_benefi
t_to_wildlife
(2) En la información difundida por los medios resalta la afirmación de
Tim Benton ?se necesitaría el doble de terreno para agricultura en el Reino
Unido para producir los mismos alimentos?, una interpretación política que
extrapola los resultados locales a una situación general que no es objeto de
estudio.
(3)

www.news.cornell.edu/stories/.../organic.farm.vs.other.ssl.html
(4) www20.gencat.cat/docs/DAR/.../ae_alternativa_seca_espanyol.pdf

Saludos
Secretaría permanente SEAE
Sociedad Española de Agricultura Ecológica (SEAE)
Camí del Port, S/N. Edificio ECA Patio Interior 1º - (Apartado 397)
46470 Catarroja (Valencia, España)

eMail: seae@agroecologia.net Web:
www.agroecologia.net

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Bayer recua e desiste do pedido de liberação do arroz transgênico

A empresa Bayer Cropscience acaba de informar em sua página da internet que solicitou à CTNbio a retirada temporária do processo de liberação comercial do arroz Liberty Link (LL 62) da pauta de decisões técnicas. O pedido de liberação causou uma série de reações contrárias, por parte de vários grupos, desde produtores, comunidade científica e diversas organizações ambientalistas, de consumidores e movimentos sociais.

Segundo a empresa essa ação "proativa" decorre da necessidade de ampliar o diálogo com setores da cadeia produtiva do arroz no Brasil. Os rizicultores manifestaram-se publicamente contrários à liberação, que pode significar perda de mercados consumidores na África e União Européia, como já ocorrido nos Estados Unidos onde houve contaminação nas culturas de arroz , o que fez o país perder milhões de dólares.

O principal interesse da Bayer é liberar o arroz no Brasil para influenciar outros países produtores do grão, ao mesmo tempo em que os produtores brasileiros só aceitarão a variedade transgênica quando houver a comercialização em outros países, além de ampla aceitação do mercado externo. É possível que a empresa se comprometa junto aos produtores de arroz que, mesmo quando for liberado pela CTNBio, ela não colocará o Libert Link a venda enquanto não for amplamente aceito pelos mercados mundiais. De qualquer forma, caso o Brasil libere a variedade, a empresa terá mais subsídios para influenciar a decisão em outros países, ao mesmo tempo em que trabalha para transparecer maior segurança aos produtores.

A retirada do pedido de liberação é temporária e, provavelmente, muito em breve, a empresa pleiteará nova aprovação de seu arroz transgênico. Tudo depende da Bayer convencer os produtores, mesmo que isso exclua o povo brasileiro da importante decisão em consumir ou não produtos transgênicos e seus potenciais impactos ao meio ambiente e à saúde.

De toda forma, a retirada do pedido impõe uma derrota à gigante biotecnológica, assim como freia o acelerado quadro de liberações comerciais de OGMs no Brasil, feitos pela CTNBio. Os graves problemas que envolvem o arroz transgênico levantados em audiência pública e as mobilizações das organizações da sociedade civil e da comunidade científica fazem com que a empresa recue no pedido. É uma pena que a CTNBio não se mostre acuada para continuar a agir pela aprovação irrestrita dos eventos requeridos pelas empresas.

Após 10 anos de liberação comercial da soja RR da Monsanto, os agricultores sentem os efeitos nefastos intrínsecos aos transgênicos, como a concentração dos mercados (85 % da soja no país está nas mãos da Monsanto, sobrando apenas 15% para variedades convencionais), e o aumento do uso do glifosato e de outros agrotóxicos por conta da resistência adquirida por pragas. Para que os agricultores não sejam iludidos novamente, a sociedade precisa se organizar e exigir que o Conselho Nacional de Biossegurança (CNBS), presidido até o seu licenciamento, pela Ministra Dilma Rousseff, cumpra seu dever legal e pare de se omitir como tem feito, desde sua criação em 2005, ao delegar decisões de extrema relevância pública e social única e exclusivamente a uma comissão técnica composta de 27 pessoas, como é a CTNbio.

O tempo ganho com o recuo da Bayer tem que servir à sociedade para ampliar a discussão e exigir que o governo Lula se posicione a favor da saúde, do meio ambiente, dos agricultores e consumidores.

Leia a nota publicada pela Bayer (link)

Leia a carta da sociedade civil para o CNBS (link)
Leia o documento produzido pelas organizações contrárias à liberação (link)

Mais informações:
Terra de Direitos – Larissa Packer: 41 9934-6660/ 41 3232-4660
AS-PTA – Gabriel Fernandes: 21 8124-0095
IDEC – Andrea Lazzarini: 11 8298-3322

www.terradedireitos.org.br

quinta-feira, 17 de junho de 2010

A fala e o fato: bola, machismo e violência contra as mulheres

Publicada em: 10.06.2010

Fonte: http://www.cut. org.br/content/ view/20703/

As declarações de Felipe Melo, jogador da seleção brasileira de futebol, durante coletiva de imprensa no último dia 31, ao direcionar suas críticas à bola que será utilizada na Copa do Mundo de Futebol de 2010, explicitou o machismo e uma visão de naturalização da violência contra as mulheres. Nas palavras do jogador: "A outra bola é igual a mulher de malandro: você chuta e ela continua ali. Essa de agora é igual patricinha, que não quer ser chutada de jeito nenhum."

Para todos e todas nós que defendemos uma sociedade com igualdade entre homens e mulheres; livre da violência sexista, esta declaração não é "irreverente" como afirmou o Portal G1 da Rede Globo. É uma declaração grave, inaceitável e que precisa de retratações públicas. A violência contra as mulheres é possivelmente a violação de direitos humanos mais tolerada socialmente. Ainda é considerada algo natural na vida das mulheres, como se fizesse parte do destino. Por isso, muitas vezes não nos damos conta de que, em determinados momentos, estamos diante de um ato de violência sexista.

Nenhuma mulher gosta ou aceita ser chutada, ser vítima de qualquer ato de violência, seja ela rica ou pobre, branca ou negra, jovem ou adulta. As palavras de Felipe Melo ainda demonstram o preconceito com relação às mulheres pobres ao afirmar que a violência contra as mulheres é apenas um problema das classes baixas. Sabemos que esse tipo de violência é transversal e atravessa todas as classes sociais e diferentes culturas e religiões.

A violência é resultado das relações desiguais entre homens e mulheres, e acontece todas as vezes em que as mulheres são consideradas coisas, objetos de posse e inferiores aos homens. As mulheres têm uma longa trajetória de luta por emancipação política, econômica e pessoal; entretanto, ao mesmo tempo em que hoje avançamos na conquista de espaços, na garantia e ampliação de direitos, são ainda vistas, e muitas vezes tratadas, como seres inferiores, o que permite especialmente aos homens, o direito de ter a mulher como sua propriedade, como objeto.

Além disso, a grande mídia joga no time que reafirma a violência contra as mulheres na medida em que cumpre o papel de reafirmação desse machismo desde associar o corpo das mulheres às mais diversas mercadorias à banalização do sexo e da violência, a fragilidade e a submissão das mulheres reforçadas como coisa natural. Da mesma forma, a TV interfere no imaginário coletivo, perpetuando um mundo habitado pela violência e desigualdades de gênero em vez de produzir imagens que proponham novas possibilidades nas relações sociais.

O enfrentamento da violência contra as mulheres é ainda um grande desafio. Para os movimentos sociais, uma vez que a luta contra a violência precisa ser parte da luta por construção de autonomia das mulheres e de transformações gerais na sociedade e para os governos democráticos que defendem a cidadania das mulheres, como por exemplo, a Lei Maria da Penha e o Pacto Nacional pelo Enfrentamento à violência contra as mulheres.

A violência não pode ser camuflada. É importante visibilizá-la para afirmar que existe, ter dimensão de sua extensão; e que é preciso combatê-la. A CUT jamais se furtará de denunciar e de lutar por uma vida sem violência para todas as mulheres.


Violência contra as mulheres: tolerância nenhuma!

Artur Henrique, presidente da CUT, e Rosane Silva, secretária nacional da Mulher Trabalhadora e Integrante da Coordenação Executiva da MMM

MP quer proibir no Brasil agrotóxico banido em 60 países

Lígia Formenti - O Estado de S.Paulo

Usado em culturas de café e cana, endosulfam é acusado de causar câncer e problema endócrino

O Ministério Público Federal vai ingressar na segunda-feira com uma ação civil pública para proibir o uso do agrotóxico endossulfam no Brasil. O produto, altamente tóxico, já foi banido em 60 países e é considerado pela própria Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) como nocivo à saúde. Mesmo assim, continua sendo usado na lavoura.
Dados da Secretaria de Comércio Exterior mostram que o Brasil importou 1,84 milhões de quilos de endossulfam em 2008. No ano passado, o número saltou para 2,37 milhões de quilos.
Na edição de domingo, o Estado publicou reportagem mostrando que o País havia se transformado no principal destino de agrotóxicos proibidos em outros países.
A ação, que será proposta com pedido de liminar, requer a suspensão de informes de avaliação toxicológica do agrotóxico pela Anvisa. Medida que, se concedida, impedirá a comercializaçã o do produto no País.
"Não há razão para tanta demora na adoção de ações que garantam o fim do uso do produto no País", argumenta o procurador da República Carlos Henrique Martins Lima.
A ação pede que a agência não conceda novos informes para produtos que levem o endossulfam, usado principalmente nas plantações de cacau, café, cana-de-açúcar e soja. Em caso de descumprimento, o MP pede fixação de multa diária de R$ 15 mil, revertida para o Fundo de Defesa dos Direitos Difusos.
Prejuízos à saúde. Associado ao aparecimento de câncer e a distúrbios hormonais, o endossulfam integra uma lista de 14 agrotóxicos submetidos a uma reavaliação do governo brasileiro por suspeita de serem prejudiciais à saúde. O processo, indispensável para retirada do produto do País, começou em 2008 mas, até agora, só um agrotóxico teve o destino definido. Para ser concluída, a reavaliação precisa ser analisada pela Anvisa, Ministério da Agricultura e Instituto Brasileiro do Meio Ambiente.
Lima garante ser dispensável a avaliação de toda a comissão. "A Anvisa tem como atribuição fazer vigilância sanitária. Se a agência conclui que produto é prejudicial à saúde não é preciso esperar o aval dos demais integrantes da comissão."

quarta-feira, 16 de junho de 2010

Lançamento do livro "Pastoreio Racional Voisin"

Na próxima quinta-feira, dia 17, estará na UFSM o professor Luiz Carlos Pinheiro Machado para o lançamento de seu livro Pastoreio Racional Voisin - Tecnologia Agroecológica para o Terceiro Milênio. O lançamento será às 14h30min no auditório Claudio Mussoi do Centro de Ciências Rurais (CCR), prédio 42 do campus.
O Prof. Luiz Carlos Pinheiro Machado fará uma conversa informal com os presentes. A entrada é gratuita.

O livro contesta a conduta da agropecuária convencional, oferecendo nova metodologia para a produção à base de pasto. Destaca como soluções inovadoras: a lei da fertilidade crescente dos solos, a transmutação dos elementos com baixa energia, o ciclo etileno, a trofobiose, o efeito saliva, novo conceito de bebedouro para animais, interdependência da parte aérea e do sistema radicular dos pastos, entre outros. O texto descreve detalhadamente os mecanismos e relata os resultados positivos de experiências comprovadas em diversos países, que incorporaram uma verdadeira conduta agroecológica na produção orgânica de carne e/ou leite, a partir dos princípios do PRV.

Graduado em Agronomia (1950) e Doutor em Fitotecnia (1959) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Luiz Carlos Pinheiro Machado é autor de diversos trabalhos técnico-cientí ficos, publicados em periódicos científicos de destaque, livros, revistas, anais de congressos, entre outros

Foi paraninfo de 40 turmas do curso de Agronomia, das Universidades: UFSC, UFRGS, Universidade Federal da Bahia e Universidade Federal do Paraná. Além de ter sido acolhido como sócio honorário da Associação Cubana de Produção Animal, da Associação Paranaence de Suinocultores, da Associação Paulista de Engenheiros Agrônomos e do Centro de Engenheiros Agronômos da Argentina, Luiz Carlos Pinheiro Machado recebeu, em 1983, o prêmio Mérito Agronômico do Brasil, outorgado pela Federação das Associações de Engenheiros Agrônomos do Brasil. Com experiência na área de Zootecnia e principalmente Suinocultura, atualmente é professor aposentado da Pós-graduação em Agrossistemas, na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Divulgação:
GRUPO DE AGROECOLOGIA TERRA SUL - GATS
www.ufsm.br/ gats
Universidade Federal de Santa Maria.
Avenida Roraima, nº 1000 Camobi
97105-900 Santa Maria, RS - Brasil

sexta-feira, 4 de junho de 2010

Dieta saudável e responsável pode ajudar o meio ambiente

Estudo constata que uma dieta saudável e um regresso à agricultura tradicional podem ajudar a reduzir o consumo de energia e de alimentos nos EUA.


Por Henrique Cortez, do Ecodebate - www.ecodebate.com.br

Estima-se que 19 por cento do total da energia utilizada nos EUA é consumida na produção e distribuição de alimentos. A energia norte-americana é, majoritariamente, de origem fóssil, cada vez mais cara e escassa, além de ser a principal fonte de emissão de carbono nos Estados Unidos.

No estudo “Reducing energy inputs in the US food system“, publicado na revista Human Ecology, David Pimentel e seus colegas da Universidade de Cornell, em Nova York, apresentam uma série de estratégias que poderiam cortar o consumo de energia fóssil utilização na produção e distribuição de alimentos em 50%.

O primeiro argumento é que as pessoas comam menos, especialmente considerando que o americano médio consome um número estimado de 3747 calorias por dia, contra um consumo recomendado de 1200-1500 calorias. A alimentação do americano médio, é, tradicionalmente, baseada em dietas com quantidades elevadas de produtos de origem animal e de alimentos processados, que, pela sua natureza, utilizam mais energia do que a necessária para a produção de alimentos, como a batata, arroz, frutas e legumes.

Só pela redução de consumo de produtos de origem animal já teria um enorme impacto sobre o consumo de combustível, bem resultaria na melhora da sua saúde.

Outras economias são possíveis na produção de alimentos. Os autores sugerem que se produzam no sentido mais tradicional, a agricultura biológica ou agroecológica, métodos mais convencionais, que demandam menos energia. A seleção de culturas mais eficientes também reduziria a utilização de adubos e pesticidas, aumentando da utilização de estrume e observando as rotações de cultura, para a melhoria da eficiência energética.

Por último, as alterações dos métodos de processamento de alimentos, embalagem e distribuição também poderão ajudar a reduzir o consumo de combustível. Um produto processado, do campo ao consumo, percorre uma média de 2400 km antes de ser consumido.

Este estudo defende veementemente que o consumidor está na posição central para uma redução da utilização de energia. Como indivíduos, ao abraçar um estilo de vida “ecológico” , com a tomada de consciência das suas escolhas alimentares, podemos influenciar os recursos energéticos. Para isto basta comprar produtos locais e evitar alimentos processados, embalados e de qualidade nutricional inferior. Isto levaria a um ambiente mais limpo e a uma saúde melhor.

Estas concluões são verdadeiras para os EUA tanto quanto para o Brasil.

1. Pimentel D, Williamson S, Alexander C E, Gonzelez-Pagan O, Kontak C and Mulkey SE (2008). Reducing energy inputs in the US food system. Human Ecology: DOI 10.1007/s10745-008-9184-3.