inescburg@yahoo.com.br

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2008

IX Curso Internacional de Agroecología

Yucatán, México Junio 29 – Julio 12 de 2008

Conocimiento Tradicional, Desarrollo Rural Sostenible y Cambio global.

Descripción
El curso internacional teórico–practico de Agroecología se realizará
en Yucatán, México del 29 de junio al 12 de julio de 2008. Este año
se buscará que los participantes desarrollen sus capacidades
conceptuales, metodológicas e instrumentales para incorporar los
fundamentos de la Agroecología en el diseño y ejecución de programas
y prácticas de desarrollo rural sostenible considerando los retos que
enfrenta el conocimiento tradicional ante el cambio global. El curso
será organizado en conjunto entre el Cuerpo Académico de Manejo y
conservación de Recursos Naturales de la Universidad Autónoma de
Yucatán (PROTROPICO) , el grupo de Agroecología del Departamento de
Estudios Ambientales de la Universidad de California, Santa Cruz
(UCSC), , Proenlaces A.C., Heifer International, y Community
Agroecology Network A.C.

Actividades Académicas
El curso consiste en lecturas, presentaciones y prácticas de campo.
Las discusiones y experiencias que se den entre los participantes
enriquecerán los conceptos tratados en el curso por los especialistas
invitados. Habrá grupos de discusión, lecturas asignadas, prácticas
de campo y presentaciones individuales y en grupo.

Participantes
En este curso podrán participar profesionales, estudiantes, maestros,
representantes de instituciones publicas y privadas, campesinos e
investigadores interesados en aprender, realizar, promover y
compartir experiencias del manejo agroecológico de los recursos
naturales. El curso esta limitado a 40 personas y se impartirá en
español, por lo que el dominio de este idioma es requisito para los
participantes.

Requisitos de admisión
Los interesados necesitan enviar currículum vitae resumido; así como
una carta que exprese su interés en participar en el curso. Los
aspirantes serán seleccionados por un comité integrado por
representantes de cada una de las instituciones organizadoras y se
les notificará su aceptación en un lapso no mayor de dos semanas
después de recibida su solicitud. Una vez otorgada su carta de
aceptación deberán realizar el pago de su inscripción
correspondiente. Al término del curso los participantes recibirán una
constancia de su participación.

Costos
1300 dólares antes del 30 de mayo
1500 dólares después de la fecha
• Se recibirán solicitudes hasta llegar al límite de cupo, que es de
40 personas.
La cuota incluye hospedaje desde la noche del 29 de junio hasta el 12
de julio, alimentación, transportació n durante el curso, materiales y
didácticas. No incluye pasajes aéreos, visado o impuestos en los
aeropuertos. Es importante que cada participante investigue en su
país si requiere de una visa para ingresar a México y si requiere de
algún documento que compruebe su participación en el curso para
facilitar o aligerar el trámite.

Contacto
Proenlaces A.C. Calle 39 Numero 500 entre 58 y 60 Centro. Mérida,
Yucatán, México. CP. 97000. Teléfono (999) 2520142.
Agroecology2008@ gmail.com

__._,_.___

.

II Congresso Latino-Americano de Antropologia


Estão abertas até 15 de março as inscrições para os interessados em participar dos simpósios e sessões temáticas do II Congresso Latino-Americano de Antropologia, que acontecerá de 28 a 31 de julho de 2008 na Universidade da Costa Rica. O objetivo do evento é fomentar a reflexão, o debate e o intercâmbio acerca da antropologia latino-americana. O resultado das propostas aceitas deve ser divulgado em abril.

Os trabalhos devem se encaixar em um dos 32 temas dos simpósios cadastrados, e as propostas devem ser encaminhadas aos três coordenadores de cada tema. As sessões temáticas serão organizadas por temas gerais e temas relacionados, e a duração é de, no máximo, 15 minutos para apresentação além do debate no final do tema. Cada tema dentro dos simpósios deve ser apresentado em 20 minutos.

Entre os temas gerais dos simpósios estão As manifestações lingüístico-culturais e religião na Afroamérica (simpósio 4); Imaginários urbanos e participação social (simpósio 12); Estrutura genética e migração das populações indígenas da América Central e do Sul (simpósio 22); Cidade, cultura e processos de segregação urbana (simpósio 25); e Saberes e práticas da alimentação na América Latina” (Simpósio 7).

Para se inscrever no Simpósio 7 (Saberes e Práticas da Alimentação na América Latina), entre em contato com os coordenadores pelos e-mails: malvar@mail.retina.ar (Marcelo Alvarez), menasche@portoweb.com.br (Renata Menasche) e mbertran@correo.xoc.uam.ms (Miriam Bertrán).

Informações: http://www.congresoala2008.ucr.ac.cr/inicio.html

terça-feira, 26 de fevereiro de 2008

Noruega inaugura 'cofre do fim do mundo' para proteger sementes

Um cofre que visa abrigar sementes de todas as variedades conhecidas no mundo de plantas com valor alimentício está sendo inaugurado na Noruega.
Veja a reportagem completa:

http://www.bbc. co.uk/portuguese /reporterbbc/ story/2008/ 02/080225_ cofresementenoru egafn.shtml




La familia rural post-agrícola

Convocatoria para presentar propuestas de ponencias para LASA 2009, a realizarse en Río de Janeiro, Brasil, del 11 al 14 de junio de 2009

Dr. Hubert C. de Grammont

Dra. Patricia Arias

Desde finales del siglo pasado se hizo evidente que el campo latinoamericano ya no es el espacio exclusivo de la producción agropecuaria sino que las familias rurales incorporan cada vez más empleos no agropecuarias a sus actividades. Esto se logra tanto por el desarrollo de actividades no agrícolas en el medio rural como porque existe una mayor interrelación entre campo y ciudad (vía migración) que permite transferir ingresos urbanos hacia el campo. Estos ingresos juegan un rol importante en los hogares rurales así como en el desarrollo regional. En términos numéricos, estos empleos no agrícolas representarían entre 25% y 30% de los ocupados y generarían entre 30% y 50% de los ingresos rurales (Berdegué y otros, 1998; Reardon y otros, 2001, Haggblade y otros, 2005), aunque su importancia varía según los países. En Bolivia el empleo rural no agrícola representa 14.3% del empleo rural total, en Perú está proporción es de 22.0%, en Brasil de 24.3%, en Paraguay de 36.4%, en México de 43.1%, en El Salvador de 52.1%, en La República Dominicana de 58.9%, en Costa Rica de 64.9% (Köbrich y

Dirven, 2007). Por demás, este empleo ha sido muy dinámico, mostrando tasas de crecimiento superiores a las del empleo agrícola (Ibid).

Esta situación nos obliga a repensar que es el campo hoy en día, en particular aclarando temas fundamentales como qué tipo de hogares son los hogares rurales (son campesinos o no), cuales son las formas de reproducción de la economía campesina, cuales son y cómo se dan las sinergias entre lo agrícola y lo no agrícola, cuales son las estrategias de sobrevivencia y la estructura ocupacional en el campo, etc.

En este simposio queremos dedicarnos a pensar las actuales dinámicas de las familias que viven en el campo hoy, sean estas familias campesinas o no, abordando está problemática desde diferentes ángulos analíticos de las ciencias sociales (económicos, socio-demográ ficos, antropológicos) , sin olvidar el análisis de los contextos sociopolíticos que hacen posibles las prácticas de los actores locales.

Propuestas y fechas de entrega: Para que podamos llenar debidamente el formato de solicitud de panel al congreso antes del 28 de marzo, las propuestas deberán incluir forzosamente los siguientes datos (para el autor y los coautores si los hay): nombre y apellido (se acepta hasta 3 coautores), dirección postal, teléfono del trabajo y fax, fecha de nacimiento, afiliación institucional, correo electrónico, título de la ponencia, resumen con un máximo de 100 palabras, si es estudiante precisarlo.

Los coordinadores del simposio recibirán las propuestas de ponencias hasta el día 24 de marzo próximo a los siguientes correos: 1) Dr. Hubert C. de Grammont hubert@servidor. unam.mx. 2) Dra. Patricia Arias mparias@Princeton. EDU. Favor de mandar su propuesta solamente a uno de los dos coordinadores que les avisará de la buena recepción de la misma. A fines de noviembre se avisará a cada persona si su propuesta fue retenida.

Recuérdese que en LASA no se puede presentar más de una sola ponencia y que ser coautor es equivalente a ser autor. Todos los participantes deberán pagar su preinscripció n al congreso antes del 15 de febrero 2009.

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008

Substância tóxica danifica genes do pai e dos filhos

CLAUDIO ANGELO

Enviado especial da Folha de S.Paulo a Boston

Fonte: Folha Online-Ciência e Saúde - 18/02/2008 - 08h42

O Ministério da Saúde não adverte ainda, mas talvez devesse: a exposição de homens a substâncias tóxicas, como herbicidas, remédios quimioterápicos e até mesmo álcool e tabaco pode prejudicar o feto --e, em alguns casos, causar problemas de saúde até mesmo nas gerações seguintes.

Novos estudos que apontam o efeito paterno no desenvolvimento do embrião foram apresentados ontem numa conferência nos EUA. Segundo seus autores, é cada vez maior o número de evidências a sugerir que as autoridades de saúde talvez devessem pensar em uma lista de produtos que não podem ser consumidos por homens que queiram conceber.

Hoje, para a maioria das substâncias --como álcool e tabaco--, a proibição vale apenas para mulheres grávidas. Nos Estados Unidos, uma gestante que consumir essas substâncias e perder o bebê pode ser processada por homicídio.

Três pesquisadores reunidos em um simpósio durante a Reunião Anual da AAAS (Associação Americana para o Avanço da Ciência), em Boston, porém, sugerem que o quadro é mais complexo.

O sistema reprodutivo masculino pode ser afetado por produtos que não causam necessariamente infertilidade ou mutações nos genes, mas afetam a sua expressão (ou seja, a maneira como são ligados e desligados, bagunçando seu funcionamento nas células).

Machismo reprodutivo

"As pessoas tendiam a pensar que era tudo ou nada, ou seja, ou o homem exposto ficava infértil ou ele não era afetado", afirmou Cynthia Daniels, da Universidade Rutgers, em Nova Jersey. Por isso, segundo ela, o assunto foi ignorado por cientistas durante anos, naquilo que Daniels chama de "machismo reprodutivo".

Num estudo publicado on-line na revista médica "The Prostate", o bioquímico americano Matthew Anway, da Universidade de Idaho, mostra que mudanças ambientais problemáticas para o aparelho reprodutor masculino do rato podem ser transmitidas até a bisnetos.

Anway expôs ratas prenhas a doses altas (mas não tóxicas) de vinclozolin, um fungicida comum, durante sete dias, na fase da gestação em que o sexo do feto é determinado. Os machos nascidos dessa gestação tiveram alterações de expressão em mais de 200 genes, embora não tivessem sofrido nenhuma mutação genética.

Isso aumentou a proporção de problemas de próstata e tumores em quatro gerações de animais descendentes da linhagem afetada. "Não só defeitos reprodutivos, mas também modificações de comportamento, defeitos renais e outros problemas foram observados."

Como não houve mutações no DNA, Anway acredita que o fungicida tenha alterado o padrão de metilação dos genes. Metilação é o nome dado à adição de um radical de metila (CH3) a certos trechos do DNA depois da divisão celular.

Esse radical funciona como um ponto final no "texto" genético, impedindo a célula de continuar "lendo" e transcrevendo aquela seqüência. Isso silencia ou atenua a expressão do gene --o que os cientistas chamam de mudança epigenética.

O trabalho de Anway teve um sabor de vingança para Gladys Friedler, da Escola de Medicina da Universidade de Boston.

Desde 1968, Friedler (que não revela a idade, dizendo apenas que tem "23 anos e envelhecimento precoce") se depara com evidências de que roedores adultos machos expostos a substâncias como morfina sofrem alterações reprodutivas e podem passá-las a seus filhos.

"Tratava machos com morfina e os cruzava com fêmeas que não haviam sido expostas. Quando vi que os animais na segunda geração tinham problemas, fiquei chocada."

A cientista não conseguiu recursos para continuar. "Não via efeito genético algum", diz. "Naquela época, ninguém sabia o que era epigenética."

terça-feira, 19 de fevereiro de 2008

Cientista relaciona uso de celular a desenvolvimento de tumores

Seg, 18 Fev, 11h44

Jerusalém, 18 fev (EFE).- O uso freqüente e prolongado do telefone celular contribui para o desenvolvimento de tumores benignos e malignos nas glândulas salivares, segundo uma pesquisa da cientista israelense Siegal Sadetzki, divulgado hoje no jornal "The Jerusalem Post".

Sadetzki, médica, epidemiologista e catedrática na Universidade de Tel Aviv, diz que quem usa o celular com freqüência tem uma chance 50% maior de desenvolver um tumor nas parótidas (glândulas situadas dos dois lados do rosto) do que aqueles que não usam o aparelho.

O maior risco se dá entre usuários freqüentes que moram em áreas rurais, já que os celulares precisam emitir maior radiação para compensar a escassez de antenas, segundo a pesquisa.

A pesquisadora chegou a essas conclusões - recentemente publicadas no "American Journal of Epidemiology" - após examinar 500 israelenses com tumores benignos e malignos nas glândulas salivares.

Sadetzki e sua equipe perguntaram ao grupo de pesquisados sobre como usavam o telefone celular e depois compararam os resultados com as respostas de 1.300 israelenses sem câncer.

A cientista destaca que queria que a amostra fosse israelense porque, "ao contrário de outros países, Israel adotou muito rapidamente a tecnologia móvel e desde então os israelenses se transformaram em grandes usuários de forma extraordinária".

"Essa população incomparável (de usuários da telefonia móvel) revelou que o uso de celulares tem uma relação com o câncer", algo difícil de provar por causa do longo período de latência de seu desenvolvimento, explica.

A cientista, que usa telefone celular, diz que é necessário "tomar precauções para diminuir a exposição e reduzir os riscos para a saúde".

Ela recomenda, por exemplo, usar acessórios para evitar colocar o aparelho na orelha o tempo todo, afastar o celular do corpo quando conversar ao telefone e evitar as intermináveis ligações e as chamadas prescindíveis.

Sadetzki também pede que os pais pensem melhor quanto a seus filhos terem celular, apesar de melhorar a comunicação.

"Parte da tecnologia que usamos atualmente traz riscos à saúde. A questão não é se vamos usá-la, mas como fazê-lo", ressalta.

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2008

NO PRATO DO POVO

Governo libera comercialização de milho transgênico

Por sete votos a quatro, conselho de ministros decide liberar duas variedades de milho transgênico produzidas por empresas transnacionais. Decisão sacramenta opção do atual governo pelos transgênicos e contraria o movimento socioambientalista.

RIO DE JANEIRO – Reunido na terça-feira (12), o Conselho Nacional de Biossegurança (CNBS) aprovou a liberação comercial de duas variedades de milho transgênico produzidas pelas empresas transnacionais Bayer e Monsanto. Esta é a primeira vez que o milho transgênico é liberado no país. Antes, o governo federal já havia liberado a soja e o algodão transgênicos. Com esta decisão, o CNBS, colegiado composto por onze ministérios, confirma a opção do atual governo pelos transgênicos e coloca o Brasil como um dos poucos países do mundo a se abrir para esse tipo de produção.

O placar apertado da votação no CNBS _ sete votos a quatro _ demonstra que o tema ainda é alvo de intensas divergências no seio do governo Lula. Na reunião, presidida pela ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, votaram contra a liberação das duas variedades de milho transgênico os ministérios da Saúde, do Desenvolvimento Agrário e do Meio Ambiente, além da Secretaria Especial da Pesca. A favor dos transgênicos, votaram a Casa Civil e os ministérios da Agricultura, da Ciência e Tecnologia, do Desenvolvimento, da Justiça, da Defesa e das Relações Exteriores.

Principal opositora da liberação dos transgênicos no CNBS, a ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, não pôde comparecer à reunião do conselho, pois havia sido convocada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva para acompanhá-lo na viagem à Guiana Francesa, onde o presidente brasileiro foi encontrar o presidente da França, Nicolas Sarkozy. Do lado pró-transgênicos, o mais entusiasmado era o ministro da Ciência e Tecnologia, Sérgio Rezende: “Essa decisão histórica vai colocar o Brasil entre os países mais modernos na área agrícola”, repetia, após a votação.

Rezende também dava garantias aos repórteres de que “o milho transgênico é seguro para o consumo humano”. A opinião do ministro é idêntica à da Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio), órgão subordinado ao MCT, que já havia aprovado a liberação comercial do Liberty Link (Bayer) e do MON810 (Monsanto) há dois anos. A decisão da CTNBio, no entanto, foi contestada na Justiça e também dentro do governo, sobretudo pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa, subordinada ao Ministério da Saúde) e pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama, subordinado ao MMA), fato que fez com que a decisão final fosse remetida ao CNBS.

A Anvisa havia solicitado ao CNBS “a imediata suspensão da liberação do milho MON810”, por avaliar que “os dados apresentados pela Monsanto não permitem concluir sobre a segurança de seu uso para consumo humano”. O Liberty Link, por sua vez, teve a anulação de sua liberação pedida pelo Ibama “em razão da inexistência de estudos ambientais sobre o produto”. O Ibama também alertou aos ministros que “caso a liberação comercial do milho transgênico seja aprovada, a contaminação das variedades crioulas, orgânicas e ecológicas ocorrerá inevitavelmente”.

O fato de os dois ministérios com maior especialização sobre questões ligadas à saúde humana e ao meio ambiente se posicionarem claramente contra a liberação do milho transgênico não impediu a vitória do grupo pró-transgênicos no CNBS. Assim sendo, o governo brasileiro marcha na contramão de diversos outros países que recentemente proibiram o Liberty Link e o MON810 em seus territórios _ como, por exemplo, a Hungria (2006), a Áustria (2007) e a França (2008) _ justamente por considerar que estes produtos podem trazer risco à saúde humana e ao meio ambiente.

“Decisão vai marcar mandato”

Em nota pública divulgada logo após a reunião do conselho de ministros, as organizações do movimento socioambientalista que compõem a Campanha por um Brasil Livre de Transgênicos afirmaram que “a decisão política do governo Lula, de colocar o agronegócio acima da saúde da população, do meio ambiente e da agrobiodiversidade, é uma grande irresponsabilidade que marcará seu mandato”.

Para Isidoro Revers, que é dirigente da Comissão Pastoral da Terra e da Via Campesina, a decisão do CNBS “foi absurda” e deve ser contestada: “As duas autoridades competentes para avaliar os impactos à saúde humana e ao meio ambiente se posicionaram contra as liberações comerciais. É muito contraditório que os outros ministros, que não têm competência sobre a saúde e o meio ambiente, tenham passado por cima desta decisão”, diz.

Revers também afirma considerar a decisão do governo um ataque aos pequenos agricultores: “Essa decisão atenta contra o direito dos agricultores, que perderão suas variedades tradicionais e crioulas, e dos consumidores, que não terão opção de uma alimentação saudável e não transgênica, já que não haverá controle da contaminação”, diz.

Coordenadora do Instituto de Defesa do Consumidor (Idec), Andréa Salazar considera “um absurdo que as empresas de biotecnologia continuem negando-se a realizar os estudos exigidos pelas autoridades da área de saúde”. Ela também promete que a luta contra a liberação do milho transgênico não se esgotará após a derrota no CNBS: “Vamos continuar alertando os consumidores brasileiros sobre os riscos do milho transgênico. A Anvisa deixou bem claro que estas variedades não são seguras à saúde humana”, diz Andréa.

Fonte
http://www.agenciacartamaior.com.br

terça-feira, 12 de fevereiro de 2008

Lei da Rotulagem começa a produzir efeitos

Débora Xavier
Repórter da Agência Brasil



Brasília - A rotulagem de alimentos que têm na matéria-prima algum componente transgênico - o T maiúsculo no meio de um triângulo amarelo - começa a ser vista com mais frequência nos supermercados. A Lei da Rotulagem atende ao direito do consumidor de ser informado sobre o que leva para casa. Ao lado de embalagens de um mesmo produto e de uma mesma marca, coexistem lotes com e sem a marca de transgênicos.

O Decreto 4.680, que impõe a obrigatoriedade de informar ao consumidor a existência de 1% ou mais de componentes transgênicos nos alimentos colocados à venda, existe desde abril de 2003. Os efeitos do decreto, que somente agora se fazem notar mais facilmente, já estão alterados pela ação civil pública proposta no início do ano passado pela Procuradoria da República no Piauí, que acusa o decreto, conhecido como Lei da Rotulagem, de descumprimento do Código de Defesa do Consumidor (CDC).

Para a Justiça Federal do Piauí, que acatou a interpretação da procuradoria, a não-rotulação de alimentos produzidos a partir de organismos geneticamente modificados (OGMs) em percentual abaixo de 1% induz o consumidor a erro, já que, ao omitir informação quanto à origem, propriedade e características, impede que ele escolha conscientemente os alimentos para consumo.

A mudança na regra da rotulagem foi efetivada no segundo semestre de 2007 e é válida em todo o território nacional. Dessa forma, o que atualmente está em vigor é a exigência de que todo e qualquer traço de componente transgênico deve ser informado ao público. “O entendimento jurídico, baseado na decisão da Justiça Federal do Piauí, afasta o ponto do decreto que exige a rotulagem somente para a presença de transgenia acima de 1%”, afirmou o diretor do Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC) do Ministério da Justiça, Ricardo Morishita.

Ele advertiu que todo produto com componentes transgênicos encontrado sem a devida identificação estará descumprindo o decreto e a Lei de Biossegurança, que estabelece normas de segurança e mecanismos de fiscalização de atividades que envolvam OGMs, quanto ao Código de Defesa do Consumidor, que assegura o direito à informação sobre toda característica relevante dos produtos colocados à venda. “Essa empresa vai ficar sujeita a penalidades previstas nessas legislações, com multas que vão de R$ 200 a R$ 3 milhões”, disse.

Morishita afirmou que a fiscalização sobre produtos transgênicos nas gôndolas dos supermercados integra as inspeções do DPDC que são realizadas normalmente. No entanto, a competência não é exclusiva do departamento. “Por exemplo, a análise e fiscalização da cadeia produtiva dos alimentos são de competência compartilhada com outros órgãos, tais como os Ministérios da Agricultura e da Saúde e ainda a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), os Procons estaduais e o DPDC do Ministério da Justiça. No entanto, se os consumidores apresentarem denúncias, elas serão apuradas pelo DPDC, além da fiscalização rotineira que é feita todo semestre”.

Ele explicou que a atividade deve ocorrer nos próximos meses e de forma integrada com os Procons estaduais, quando são recolhidos produtos nos pontos de venda e enviados a laboratórios para análise. Os resultados são verificados quanto à obediência às leis vigentes.

Fonte:
http://www.agenciabrasil.gov.br/noticias/2008/02/11/materia.2008-02-11.7087451033/view



Óleo de soja com rótulo de transgênico é o produto mais encontrado no mercado

Débora Xavier
Repórter da Agência Brasil



Brasília - O produto mais encontrado nos pontos de venda com o rótulo de transgênico (um T dentro de um triângulo amarelo) é o óleo de soja. A indústria alimentícia Bunge começou, no ano passado, a rotular vários lotes do seu óleo de soja Soya como produto que contêm organismos geneticamente modificados (OGMs). A outra empresa líder no setor, a Cargill, anunciou nesta semana que irá imprimir o símbolo de transgênico nas embalagens dos óleos de soja Liza e Veleiro.

Na sua página eletrônica, a Cargill comunica que os produtos “não necessitariam ser rotulados, uma vez que não apresentam organismos geneticamente modificados em quantidades mínimas de matéria-prima".

O comunicado, contudo, contraria a decisão da ação civil da Justiça Federal do Piauí, válida em todo o país, que determina a rotulagem nas embalagens de alimentos que contenham qualquer porcentagem de OGMs. Procurada pela Agência Brasil, a empresa informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que desconhece a determinação da Justiça e se baseia na lei da rotulagem que isenta a identificação nos produtos que se limitem a 1% de OGMs.

Além da modificação imposta pela Justiça do Piauí tornando a Lei da Rotulagem mais abrangente, há ainda o inquérito civil instaurado pelo Ministério Público de São Paulo para investigar se as empresas Bunge e Cargill, produtoras dos óleos Soya e Liza, respectivamente, estariam usando OGMs sem a devida identificação.

A investigação teria surgido a partir de denúncia feita pela organização ambiental Greenpeace, em outubro de 2005. Na ocasião, um grupo de ativistas da instituição foi a Brasília entregar ao governo um dossiê que comprovava o uso de soja transgênica na fabricação dos óleos Soya e Liza, líderes do setor, além das marcas Primor e Olívia. O dossiê foi entregue também para os Ministérios Público, da Justiça, da Agricultura, da Ciência e Tecnologia, e do Meio Ambiente.

A Agência de Vigilância Sanitária, onde são feitos os registros dos produtos alimentícios, ainda não dispõe de uma lista que diferencie aqueles isentos de transgenia dos que contêm OGMs. A CTNbio, por sua vez, tem entre suas diversas responsabilidades liberar o cultivo de sementes geneticamente modificadas. O controle de quantos e quais são os alimentos produzidos com OGMs foge às suas atribuições, de acordo com a assessoria de imprensa. Por enquanto, somente o Greenpeace fornece, por meio de um Guia do Consumidor, a listagem de produtos que contêm OGMs, segundo os seus critérios.

Fonte:
http://www.agenciabrasil.gov.br/noticias/2008/02/11/materia.2008-02-11.2060864341/view

domingo, 10 de fevereiro de 2008

XIII Congreso Forestal Mundial


Del 18 al 25 de octubre de 2009 la comunidad forestal internacional se dará cita en la ciudad de Buenos Aires, Argentina, con motivo del XIII Congreso Forestal Mundial.

Bajo el lema “Desarrollo forestal: equilibrio vital” se desarrollará el tema del manejo sostenible de los bosques desde una perspectiva global integradora.

Ponencias:

http://www.wfc2009.org/ponencias/login.aspx?idioma=es




Congreso Panamericano de la Leche, 8-10 abril 2008, Costa Rica
Maiores informações: http://www.congresofepale.com/

Arroz gaúcho pode obter a primeira Denominação de Origem do País

Uma história de 150 anos, iniciada pelos imigrantes alemães, pode levar ao reconhecimento de um produto especial: o arroz do litoral norte gaúcho. Nesta segunda-feira, 28 de janeiro, um grupo de produtores da região esteve na sede do INPI, no Rio, para apresentar o pedido de Denominação de Origem (DO). Com o registro, a região pode ter a primeira DO brasileira – certificação que reconhece produtos cujas características se devem essencialmente ao meio geográfico.

No caso do arroz produzido no litoral norte gaúcho, o clima é o principal responsável por um produto mais solto, translúcido e que rende mais, como explica o agrônomo Carlos Nabinger, um dos representantes do grupo:

– O vento constante e a presença de grande quantidade de água na região, devido à proximidade com a Laguna dos Patos e o Oceano Atlântico, são os fatores que criam um clima com temperaturas estáveis e ideais para o cultivo do arroz, ou seja, entre 20 e 25 graus no verão – explicou o agrônomo.

Segundo estimativas, a região produz, anualmente, cerca de 600 mil toneladas de arroz e gera cinco mil empregos diretos, sem contar quase 20 mil empregos indiretos. Com a certificação, a meta é agregar valor ao produto, desenvolver a economia da região e até conquistar novos mercados.

– A Denominação de Origem vai trazer desenvolvimento para a região, que poderá beneficiar o produto e garantir a qualidade. A partir daí, a idéia é trabalhar os diferenciais de marca e design para conquistar espaço em outros países – comentou a coordenadora de agronegócios do Sebrae-RS, Alessandra Loureiro de Souza, que está participando do projeto.

Para a coordenadora-geral de Outros Registros do INPI, Maria Alice Calliari, a iniciativa dos empresários gaúchos revela uma preocupação cada vez maior com a proteção dos diferenciais regionais:

– A apresentação deles foi muito clara e fundamentada. As pessoas estão percebendo que a indicação geográfica gera valor para os produtos e, por isso, buscam esta proteção – comentou Maria Alice.

Se tiverem sucesso, os produtores do litoral norte gaúcho vão seguir o exemplo de três Denominações de Origem européias: os vinhos da Franciacorta, na Itália, e os da Região dos Vinhos Verdes, em Portugal, além do cognac da França. Todas elas estão protegidas no Brasil, pois provaram que possuem qualidade única devido às características geográficas locais.

O Brasil tem quatro certificações de Indicação de Procedência (IP), modalidade de Indicação Geográfica que, diferente da DO, delimita uma área conhecida pela fabricação de certos produtos, mas sem relação direta com o meio geográfico. São elas: o vinho do Vale dos Vinhedos (RS), o café do cerrado (MG), a carne do Pampa Gaúcho (RS) e a cachaça de Paraty (RJ). Em todos os casos, os produtos se valorizaram com a certificação.

II CONGRESO LATINOAMERICANO DE ANTROPOLOGIA

Universidad de Costa Rica, 28 a 31 de julio 2008

Simposio Nº 7:

SABERES Y PRACTICAS DE LA ALIMENTACION EN AMERICA LATINA

Los invitamos a enviar sus propuestas para participar del Simposio “Saberes y Prácticas de la Alimentación" en el marco del II Congreso Latinoamericano de Antropología (ALA), que se llevará a cabo entre el 28 de julio y el 31 de julio del 2008, en la Universidad de Costa Rica.

Las propuestas deben ser enviadas a los tres coordinadores del simposio como ponencia terminada para su posterior selección, con fecha límite de 15 de marzo de 2008. En abril de ese año se dará publicidad a la totalidad de las ponencias aceptadas. No se reciben abstracts.

Para mayores precisiones sobre el formato de las ponencias ver archivo adjunto. Para consultas sobre inscripciones, programa y hotelería, ver el sitio oficial del II ALA: http://www.congreso ala2008.ucr. ac.cr

Coordinadores:

Marcelo Alvarez (INAPL - Argentina): malvar@mail. retina.ar

Renata Menasche (UFRGS – Brasil): menasche@portoweb. com.br

Miriam Bertrán (UAM Xochimilco – México): mbertran@correo. xoc.uam.mx

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2008

Agroflorestas e a recuperação de solos em áreas degradadas.

Em 2004, A TV Cultura, realizou uma série de reportagens no programa Repórter Eco, dentro do quadro sobre biodiversidade. O tema: Agrofloresta - a busca da harmonia entre agricultura e a proteção das florestas e várias técnicas de recuperação de áreas degradadas: adubação verde, agrofloresta , controle de erosão.

A primeira parte do programa mostra a experiência do uso de adubação verde em uma grande propriedade. Em seguida é mostrada as pesquisas sobre agrofloresta na ong Oca Brasil em Alto Paraíso de Goiás (inclusive uma horta agroflorestal sucessional feita pela Cimara Goulart) e a experiência de várioas anos de agrofloresta pelos agricultores familiares da Cooperafloresta em Barra do Turvo, no Vale do Ribeira em São Paulo. No fim é mostrada a experiência de recuperação de áreas degradadas no aeroporto do Galeão no Rio de Janeiro.


Assista os vídeos nos links:

http://www.agrofloresta.net/videos/


http://www.agrofloresta.net/videos/recuperacao_de_solos_degradados-futura.htm -

http://www2.tvcultura.com.br/reportereco/materia.asp?materiaid=123




sexta-feira, 1 de fevereiro de 2008

Princípio da precaução. Milho transgênico é proibido na França

Do site do Instituto Humanitas Unisinos (IHU) - http://www.unisinos.br/ihu

15/1/2008

O governo francês apelou para a cláusula de salvaguarda para proibir o milho MON 810, na última sexta-feira, dia 11 de janeiro, em nome do “princípio de precaução”. Portanto, não haverá, em 2008, cultivo do milho transgênico na França. Se o impacto econômico, no curto prazo é irrisório, são os impacto de longo prazo que são deplorados pelos defensores dos OGM. A reportagem é do jornal Le Monde, 15-01-2008.

Sábado, num comunicado, os industriais lamentam que “as empresas produtoras de semente (...) não têm mais nenhuma visibilidade”. Mas elas não mencionam a contrapartida do governo que anunciou um plano de investimento em biotecnologias no valor de 45 milhões de euros, oito vezes mais que o orçamento atual. Uma contrapartida que foi criticada pela Conferação camponesa.

Com 22 mil hectares em 2007, a produção de milho transgênico representa somente 0,7% da terra destinada a este tipo de cereal. Mas para os agricultores que se converteram ao milho transgênico, ele rende de 5% a 30% mais.

Para as produtoras, as multinacionais como Limagrain ou Pioneer(Dupont) o impacto será menor.

Uma gota de água para a Monsanto, pois o seu foco é o Brasil

A Monsanto também é atingida. Não só porque vende as sementes, mas sobretudo porque ela é que desenvolveu o elemento transgênico MON 810, o único autorizado na Europa. Ela recebe os royalties pela licença concedida às outras produtoras de sementes transgênicas. A multinacional americana se nega comentar a decisão francesa. “Seu eixo de desenvolvimento é o Brasil. A Europa é somente uma gota de água”, explicar Francis Prêtre, de CM-CIC Securities.

É o símbolo que representa a nova posição francesa que amedronta os industriais. A França, primeira potência agrícola européia, detém um conhecimento reconhecido no campo das sementes. Ela é também a segundo produtora de transgênicos, depois da Espanha. Somas enormes de dinheiro já foram investidos nas biotecnologias.

“Nós entramos numa dinâmica e as perspectivas eram boas”, explica Karine Affaton, porta-voz da Pioneer. O grupo, que utiliza o MON 810, espera uma homologação da sua própria tecnologia. De 500 hectares em 2005, a área plantada passara para os 5 mil hectares em 2006 e para 22 mil em 2007.

“O que se pasará em 2009?”, pergunta Christian Pées, presidente de Euralis. Ele teme o isolamento econômico da França.

“O milho não transgênico se vende 25% mais caro. É melhor conservar na França a especificidade não transgênica”, afirma Jacques Pasquier, da Confederação camponesa, a que pertence José Bové. O debate é ambiental, mas também econômico, conclui o jornal francês.